Notícias

A Itália que queremos

Transformar resultados das urnas em projetos

12.03.18

Fábio Vicenzi Deputado Itália 2018

Fabio Vicenzi, na sua primeira experiência política, confirmado como candidato a deputado pelo PD em meados de janeiro, comemora os 6.263 votos conseguidos até o momento, mesmo que insuficientes para a sua eleição. “É a melhor votação de um candidato do PD no Brasil (atrás apenas do ex-senador Fausto Longo, coligado ao PD concorrendo pelo PSI) e a segunda entre os candidatos do PD na América Meridional (atrás apenas do veterano argentino Alberto Becchi, que teve 6.895 votos).

O advogado e empresário gaúcho, radicado em São Paulo desde 1999, com escritório em Roma e noutras capitais, que atua na área empresarial unindo e ajustando relações no eixo Brasil-Itália, comenta: “Em apenas 40 dias de campanha conseguimos um pequeno milagre: levar aos eleitores um novo jeito de propor medidas – com propostas concretas e caminhos para realização, ancorado na força do PD, que foi rapidamente assimilado e conquistou milhares de eleitores”.

Fundamental para isso, na sua opinião, foi o debate promovido em fevereiro pela Revista Insieme na TV Câmara, em Brasília, onde segundo Vicenzi “o eleitorado pôde conhecer melhor os partidos, seus candidatos em versão ao vivo, suas propostas e separar o joio do trigo. Pena que nem todos os candidatos participaram, alguns por estratégia, outros por serem vazios de conteúdo e propostas. E depois se soube o porquê: para, usando do anonimato, poderem promover campanhas difamatórias contra o PD e alguns de seus candidatos, buscando se eleger com base em notícias falsas, que mancharam em parte essas eleições. Boa notícia que o eleitorado não embarcou na onda dos baderneiros, e mostrou realmente querer personalidade e conteúdo.”

Os resultados finais das eleições ao Parlamento italiano 2018 ainda não foram proclamados e são esperados para a próxima semana, entre 12 e 16/03, pois falta apurar os votos de algumas urnas impugnadas. “Também graves denúncias de irregularidades e fraudes, sobretudo na Argentina, estão sendo apuradas”.

Vicenzi, que já confirmou sua presença em Roma no dia 23 para a posse dos parlamentares eleitos, prestigiará os colegas de partido e participará de reunião de cúpula do PD. Enquanto espera os resultados definitivos, faz uma análise geral das eleições Italianas: “Já é possível prever com certo grau de precisão de quem serão os ocupantes das 18 cadeiras destinadas aos colégios eleitorais no estrangeiro: 12 para a Câmara dos Deputados e 6 para o Senado”.

Das 12 cadeiras da Câmara dos Deputados 5 vão ao PD, 3 ao Centro-Direita, e 1 respectivamente para M5S, Maie, Usei e +Europa.

E no Senado das 6 vagas 2 ficaram com o PD e 2 com o Centro-Direita. E apenas 1 com Usei e 1 com o Maie.

Apesar do resultado geral aquém do esperado, da perda de cadeiras com relação à eleição de 2013 (2 senadores a menos) e da não eleição de nomes históricos e importantes do partido, o PD continua sendo a principal legenda no exterior, tendo ficado com 7 (5 Deputados e 2 Senadores) das 18 cadeiras disponíveis, se confirmarem os resultados até agora divulgados.

Para Vicenzi, “tanto na Itália como no Exterior (América Meridional e Brasil) verificou-se um mesmo fenômeno: as forças populistas e xenófobas da extrema direita souberam se organizar, elegendo diversos parlamentares, muitos com fundos ilimitados de campanha; nesse mesmo caminho os populistas e anti sistema do M5S mantiveram a sua organização e aumentaram o seu número de parlamentares, conseguindo eleger um primeiro deputado no exterior; e o PD, mesmo tendo governado muito bem a Itália nos últimos 5 anos e conduzido o país para fora da crise e para um papel destacado na União Europeia, acabou se desgastando, perdendo consenso, parlamentares e importantes dirigentes, e não investiu o mesmo que os outros partidos na campanha, mas ainda permanece como a principal força reformista e progressista e aquele que ainda detém o maior número de parlamentares eleitos no exterior”.

Essas eleições foram atípicas, com enorme pluralidades de partidos e candidatos, que ajudaram a confundir o eleitorado e a dispersar o voto, especialmente no Brasil: “com um pouco mais de coordenação, bom senso e tempo, muitas forças que dispersaram votos poderiam ter se unido com o PD e com grande chance de êxito poderíamos ter eleito na América do Sul 1 senador e pelo menos mais 1 deputado, possivelmente Ítalo-brasileiros”.

Nesse mesmo diapasão, Vicenzi defende um resgate dos vínculos do partido com as forças da comunidade italiana presentes em todos os lugares e segmentos, para reforçar a estrutura do partido para o futuro: “Além da proximidade com o setor produtivo, é importante resgatar os vínculos históricos do partido com as escolas, associações, sindicatos, mundo do trabalho, representantes da cultura e religiosos, e ampliar no segmento esportivo e cultural”.

No Brasil, o PD confirmou a sua supremacia, tendo sido o partido mais votado, com cerca de 22 mil votos, o que representa 25,02% de um universo de 86.791 votantes (cerca de 24,65% dos 351.989 mil eleitores ítalo-brasileiros). “Também contribuíram para a baixa participação do eleitorado o carnaval que caiu no meio do processo eleitoral, o envio tardio das cédulas pelos correios, a desatualização do cadastro AIRE dos endereços dos eleitores, a devolução tardia das cédulas também pelo correio, entre outros”.

Mas na América Meridional, o PD ficou em terceiro lugar, atrás dos movimentos Maie e Usei. No exterior, entretanto, como dito anteriormente, ainda é o primeiro partido em número de cadeiras.

Para o futuro, Vicenzi diz que manterá o seu nome à disposição do PD e que aguarda as reuniões que acontecerão na sequência em Roma e no Brasil para decidir o seu futuro político: “Essa minha primeira experiência política foi muito positiva.

Permanecerei comprometido e vinculado com a comunidade italiana do Brasil e da América do Sul porque acredito nas bandeiras que levantei durante a campanha: a Isonomia e a Continuidade Territorial que permitirão potencializar a cidadania dos coirmãos. Pautas como o resgate dos vínculos familiares e culturais, integração empresarial e estudantil (escolar, técnica e acadêmica), simplificação e facilidade de acesso ao sistema consular e sistema Itália como um todo, tão debatidas por mim ao longo da minha campanha, não ficarão no vácuo por eu não te me elegido.

Cada tópico será levado adiante como uma orquestra que tem seu regente. Vou abastecer o parlamento italiano com novas ideias e o projetos prontos para implementação. Acredito piamente que ideias boas, com lógica sustentável e benefícios coletivos, devem alcançar seus destinatários o mais breve possível, e tenho mais de 6 mil pessoas querendo o que propus, e tenho certeza absoluta ser o desejo de outras centenas de milhares que ainda não me conhecem ou não se atentaram aí meu projeto junto ao PD. Na minha trajetória acadêmica, profissional e empresarial, construí pontes reais, que foram semeadas em terra fértil, tendo como bases sólidas o diálogo democrático, a transparência, a conciliação e a integração. A colheita será coletiva, orgânica, sistêmica e solidária. Vai acontecer!”

E conclui dizendo: “Vamos transformar os sinais negativos das urnas, de raiva, desilusão, protesto e abstenção em projetos de futuro, crescimento e união. Vamos reverter as tendencias retrógradas e fascistas com diálogo e lógica. Não estudei tanto para me conformar e assistir oportunidades escoando em meio aos dedos. Sigo levando a bandeira da inovação, da igualdade, da renovação. Sigo com o sentimento latente de italianidade de um bisneto de imigrantes agricultores que não abandonará seus eleitores e que lutará pela Itália que queremos”.

Fonte: Portal Insieme
https://www.insieme.com.br/pb/transformar-resultados-das-urnas-em-projetos