Notícias

A Itália que queremos

Porta analisa os motivos de sua derrota. E aponta o dedo para divisões, egoísmos e falta de estratégia da comunidade ítalo-brasileira

08.03.18

Fábio Vicenzi Deputado Itália 2018

Mistura de política brasileira com italiana, egos e divisões oportunistas, falta de uma estratégia da comunidade ítalo-brasileira, pulverização de candidatos e de votos, mentiras assinadas e anônimas, tudo isso junto e muito mais passeia pela cabeça de Fabio Porta, o candidato ao Senado pelo PD – Partido Democrático, tido como eleito mas derrotado nas últimas eleições parlamentares italianas, dentro da área sul-americana da Circunscrição Italiana no Exterior.

No “muito mais” em que pensa Porta (19.965 votos) entra a ‘taxa da cidadania’, defendida e praticamente criada pelo candidato derrotado como um recurso permanente para a solução das filas da cidadania, cuja notícia de liberação – segundo ele – chegava aos consulados no mesmo dia em que ele recebia a notícia de sua derrota nas urnas. “Ou seja, nós começamos um trabalho, eu pessoalmente, e não vou nem poder fiscalizar, nem acompanhar” embora seja agora que “vem a parte mais importante”.

Nessa entrevista exclusiva a Insieme (a segunda parte da já publicada sobre a denúncia de possíveis fraudes em urnas eleitorais de Buenos Aires), Porta faz uma análise da situação que o levou à derrocada, incluindo a decisão do partido de, à última hora, apontar sua candidatura ao Senado e não à Câmara, para onde vai agora o ex-senador Fausto Longo, com apenas 8.906 votos.

Naturalmente amargurado, ele lamenta que, se amanhã alguém apresentar alguma emenda interrompendo a transmissão ‘iure sanguinis’ no Senado, como fez o suíço Micheloni, “não vai ter nenhum senador que vai barrar isso”, e “duvido que a Usei e o Maie, com um deputado e um senador, vão ter força, mesmo tendo vontade, de evitar” que isso ocorra. Faltou pensar no Brasil e e na comunidade ítalo-brasileira, observa ele. Naturalmente amargurado, Porta deixa claro que não vai abandonar a luta e aposta em novas eleições para breve.